Texto: Marcos Anubis
Fotos e revisão: Pri Oliveira

31156184265_0fd9c17a17_o“Meu bem, meu bem, maconheiro nordestino que queria encaretar. Meu bem, meu bem, é por isso que o Raimundos nunca vai se acabar”. A letra de “Marujo”, cantada por Rodolfo há 22 anos no álbum de estreia do Raimundos, é uma “meia-verdade”.

Isso porque, se o seu ex-vocalista encaretou e se “evangelizou”, a banda não entregou os pontos por causa disso. Ao contrário, ela se reinventou e permaneceu sendo um dos grandes expoentes do rock nacional.

Então, para celebrar seus quase 30 anos de estrada, o Raimundos mostrou todo o peso e o bom humor de seu “Forrócore” nessa sexta-feira (18), no Teatro Positivo, em Curitiba.

Essa foi a segunda noite de gravações do novo DVD/CD acústico do grupo. A primeira aconteceu na noite anterior.

Eu quero é Rock!

Para o deleite do público que praticamente lotou o Teatro Positivo (perto de 2 mil pessoas em cada uma das duas noites de gravação), a banda tocou 26 músicas durante quase três horas de show. Algumas dessas canções foram executadas mais de uma vez para que saíssem perfeitas no DVD.

“Gordelícia”, “Palhas do coqueiro” e “Pão da minha prima” abriram a apresentação. O palco foi montado de forma simples, valorizando os músicos e usando uma boa iluminação.

Canisso (baixo), Digão (vocal e violão), Marquim (violão) e o ex-guitarrista do Charlie Brown Jr., Marcão (violão), ficaram sentados lado a lado na frente do palco. Atrás, ficaram Caio (bateria), Jorge Bittar (piano) e Renato Azambuja (percussão).

Os músicos adicionais, que enriqueceram melodias e arranjos de algumas canções, foram: Alexandre Brasolim e Juliane Weingartner (violinos), Samuel Pessatti e Péricles Gomes (cellos), Felippe Pipeta (trompete), Pedro Vithor (sax barítono) e Will (trombone).

Complementando o cenário, um grande telão exibia imagens que foram produzidas para ilustrar cada uma das músicas. O setlist teve músicas de todas as fases da carreira banda, entre elas “Bê a bá”, “Reggae do manêro” e “Rapante”.

Convidados

Na sexta, o primeiro a participar foi o filho de Digão, Rick Campos, que tocou piano em “I saw you saying (that you say, that you saw)”. Durante a execução da música, visivelmente feliz por se apresentar ao lado de Rick, era nítido o esforço que Digão estava fazendo para conseguir tocar e cantar.

A vida de um artista, seja ele de qual estilo for, não envolve só momentos bons. Ficar longe de sua família, por causa das longas viagens para tocar por todo o país, priva a pessoa da convivência familiar. Tudo isso deve ter vindo à tona na cabeça de Digão naquele momento.

Durante o refrão da parte final da música, toda a plateia fez uma coreografia com as mãos para o alto em um momento que deve ficar bem interessante na versão final do DVD.

Na saída do palco, após dar um abraço em Rick, Digão não conteve a emoção e chorou copiosamente. “O orgulho que eu não dei para o meu pai, o meu filho me deu em dobro”, disse, recebendo aplausos do público.

30788354920_a820653274_o

Música urbana

O próximo convidado foi Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, que interpretou “Mulher de fases”. Ao tomar o seu lugar ao lado da banda, o cantor comentou: “eu não imaginei que ficaria tão nervoso aqui em cima”, disse.

Talvez por causa isso, Dinho dispensou o seu banquinho, que tinha sido posicionado entre Digão e Canisso. Durante as duas vezes em que a música foi tocada, ele cantou em pé, indo para bem perto do público com seu tradicional entusiasmo.

A participação de Dinho Ouro Preto é uma espécie de conexão entre as duas bandas. Afinal, no começo da década de 1990, o Raimundos, de certa forma, deu continuidade ao que o Capital Inicial fez na metade da década de 1980. Foi o Capital que, ao lado de outros nomes de Brasília como a Plebe Rude e a Legião Urbana, abriu as portas da mídia para os artistas nacionais.

Digão, Canisso e seus companheiros seguiram essa trilha e foram além, misturando ritmos brasileiros ao Rock que era feito no país naquela época. Essa quebra de paradigma talvez seja o maior legado que o Raimundos proporcionou à música brasileira.

31120101726_2c4fe685d0_o

A surpresa da noite

Quando o Raimundos divulgou os convidados que participariam do DVD, muitos fãs estranharam ao ver na lista o nome da cantora Ivete Sangalo. Na entrevista que publicamos na última quarta-feira (16), que você pode ler neste link, Digão afirmou que a participação de Ivete seria um dos melhores momentos do DVD. E não é que ele estava certo?

Ao ser chamada ao palco, o público recebeu a cantora com muito carinho. Toda de preto, com um “visual rock ‘n’roll”, ela esbanjou simpatia com a banda e a plateia. Após a troca de gentilezas, Ivete cantou “Baculejo” e depois “A mais pedida”. As músicas foram repetidas algumas vezes por causa de pequenos erros na execução.

Em algumas ocasiões, foi Ivete quem errou a letra. Em outra, Digão também passou direto em uma troca de notas no violão. Afinal, como tudo precisa estar perfeito no DVD, qualquer deslize é fatal.

O público encarou tudo de forma tranquila, entendo que a intenção era fazer com que as participações saíssem como o planejado. Para deixar Ivete mais à vontade, Canisso disse de forma simpática: “se você errar mais dez vezes, nós repetimos mais dez vezes, sem problema”.

Em outra dessas paradas, enquanto a banda se ajeitava, Digão comentou que Ivete estava tocando bateria na primeira vez em que ele a viu. Obviamente, o público pediu que ela desse uma “palhinha”. Sem constrangimento, Ivete “tomou” o lugar de Caio e tocou “A mais pedida”, com direito até às viradas da canção, acompanhada pelo resto da banda.

30348822023_3e84c5cd68_o

Retorno às origens

O terceiro e último convidado foi um velho conhecido. Fred, ex-baterista do Raimundos, subiu no palco sendo ovacionado pelo público. O respeito que os fãs ainda têm por ele é muito grande, afinal, Fred participou de praticamente toda a discografia da banda.

Desde o primeiro álbum do grupo, “Raimundos” (1994), Fred criou um estilo todo particular de tocar bateria. Sua pegada mistura o peso do Hardcore à “malemolência” do Forró e de outros ritmos brasileiros, dando uma atmosfera única para músicas como “Bê a bá”.

Ao lado de seus ex-companheiros, Fred tocou duas canções para o DVD: “Selim”, recriada com a ajuda do quarteto de cordas, e também “Cintura fina”. No final, ao ver o abraço entre a trinca original do Raimundos (Digão, Fred e Canisso), os fãs aplaudiram em pé esse momento que, para todos, foi muito especial.


31156193115_90038499d7_o

“Raimundices”

O show teve vários momentos descontraídos. Um deles aconteceu quando um integrante do pessoal de apoio veio trazer água para Canisso. Com sua tradicional sinceridade, o baixista não perdeu a compostura: “água? Me traz uma cerveja, porra!”, disse.

Em outra ocasião, Marquim precisou se retirar do palco durante alguns instantes, provavelmente para uma ida ao “toilet”. Durante essa saída, Marcão aproveitou para tocar e cantar “Zóio de lula”, sucesso do Charlie Brown Jr. Era quase meia-noite quando o grupo “decidiu” que era hora de encerrar o show. “Os cartões das filmadoras já estão cheios. Hoje nós exageramos!”, brincou Canisso.

A trinca final foi de tirar o fôlego: “Puteiro em João Pessoa”, “Esporrei na manivela” e “Eu quero ver o oco”. Em suas versões originais, essas três músicas são, provavelmente, as mais pesadas do setlist do DVD. Felizmente, em sua forma desplugada, mesmo sendo tocadas de forma acústica, sem guitarras ou distorções, elas não perderam o seu peso.

Durante os dois dias de gravação, a banda conseguiu captar a alma de suas canções mais famosas e também de algumas menos conhecidas. Para isso, o grupo contou com a participação decisiva dos fãs que estiveram no Teatro Positivo. “Raimundos Acústico” será lançado pela Som Livre após o Carnaval e, sem sobra de dúvidas, vai agradar em cheio.