Texto: Marcos Anubis
Fotos e revisão: Pri Oliveira

CAPA SOLID ROCK MODELO 2

O festival Solid Rock, que aconteceu nessa quinta-feira (8), na Pedreira Paulo Leminski, proporcionou aos curitibanos a oportunidade de viver uma noite muito especial.

Afinal, o evento reuniu o Alice in Chains, um dos ícones do movimento Grunge, o Judas Priest, um gigante do Heavy Metal, e o Black Star Riders, formado por alguns integrantes da lendária banda irlandesa Thin Lizzy.

black star riders1

Black Star Riders

Ao ver o Black Star Riders, parte do público que acompanha mais de perto o mundo da música percebeu algumas figuras conhecidas no palco. Isso porque quase todos os integrantes do grupo fazem parte do lendário Thin Lizzy, banda irlandesa que teve Phil Lynott como vocalista e baixista.

Scott Gorham e Damon Johnson (guitarras), Ricky Warwick (vocal e guitarra), Robert Crane (baixo) e Chad Szeliga (bateria) abriram o show com “All hell breaks loose”; “Jailbreak”, do Thin Lizzy; e “Finest hour”.

Musicalmente, o grupo realmente carrega a sonoridade do Thin Lizzy, mas com um pouco mais de peso voltado para o Hard Rock. O Black Star Riders foi formado em 2012 e teve o nome inspirado em uma gangue do filme “Tombstone – A Justiça Está Chegando” (1993). Nesses seis anos, a discografia da banda já conta com três álbuns lançados: “All Hell Breaks Loose” (2013), “The Killer Instinct” (2015) e “Heavy Fire” (2017).

O repertório do show reuniu canções do Black Star Riders, entre elas “Kings of the lost” e “Before the war”, e também alguns clássicos do Thin Lizzy, como “The boys are back in town”. Nitidamente, pelas reações dos músicos no palco, o quinteto ficou surpreso com o apoio do público. Afinal, abrir um festival que tinha como atrações principais dois pesos pesados da música não é uma tarefa simples. Dessa forma, o Black Star Riders cumpriu bem o seu papel e conseguiu apresentar, literalmente, o trabalho da banda para um número grande de potenciais novos fãs.

black star riders2

Essencialmente Rock’n’roll

Todos os integrantes do BSR são músicos experientes que já fizeram parte de outros grupos importantes: Damon, Scott e Ricky ainda integram o Thin Lizzy, pois a banda continua na ativa; Chad tocou com o Black Label Society, Ricky também fez parte da banda escocesa The Almighty e Crane tocou no Ratt.

As músicas do Black Star Riders têm um grande trabalho de guitarras, que se alternam em bases, riffs e solos bem criativos. Destaque também para Chad Szeliga, que tem uma pegada técnica e pesada na bateria.

Devido à experiência que todos os músicos da banda carregam, o grupo se mostrou muito à vontade no palco da Pedreira. Em vários momentos, inclusive, Ricky pediu a participação do público e foi prontamente atendido, o que mostra que uma conexão foi estabelecida.

“Bound for glory” encerrou a apresentação. Certamente, o Black Star Riders ganhou muito fãs que conheceram o som da banda nesse show. Além disso, ao perceberem a ligação do grupo com o Thin Lizzy, o público mais jovem também terá a oportunidade de voltar no tempo e descobrir a importância que o grupo de Phil Lynott teve na história do Rock’n’roll.

Confira a música “Bloodshot”, gravada ao vivo no show do Black Star Riders na Pedreira Paulo Leminski, e veja também o álbum de fotos da apresentação.

Black Star Riders - Solid Rock - Pedreira Paulo Leminski - 08/11/2018

alice in chains1

Alice in Chains

Formado em 1987 na cidade de Seattle, nos Estados Unidos, o Alice in Chains é até hoje rotulado como uma banda Grunge. Porém, o grupo nunca fez questão de se considerar parte do movimento. Na prática, o AIC foi o primeiro nome daquela geração de Seattle a lançar um álbum. “Facelift” (1990) foi a porta de entrada para os outros três clássicos do gênero: “Nevermind”, do Nirvana; “Ten”, do Pearl Jam; e “Badmotorfinger”, do Soundgarden, todos lançados em 1991.

O som do Alice in Chains, na época, era um mergulho na melancolia do vocalista Layne Stanley, brilhantemente musicada pela guitarra pesada e melódica de Jerry Cantrell. Na realidade, o estilo do AIC não era fácil de ser definido, pois reunia elementos do Heavy Metal e do Indie Rock.

Uma prova disso aconteceu ainda em 1991, quando o grupo foi escalado para participar de alguns shows do festival Clash of Titans. O evento reunia simplesmente o Slayer, o Megadeth e o Anthrax, três símbolos do Thrash Metal até hoje. Na visão dos organizadores, o Alice era uma banda de Heavy Metal.

No palco

William DuVall (vocal e guitarra), Jerry Cantrell (guitarra e vocal), Mike Inez (baixo) e Sean Kinney (bateria) abriram o show na Pedreira com “Check my brain”, tocada em uma afinação baixíssima que ressaltou ainda mais o tom sombrio da música. Na sequência, o grupo tocou o clássico “Again” e a nova “Never fade”.

Curitiba já foi chamada de “Seattle brasileira” na década de 1990, quando a onda Grunge tomou conta da cidade. Naquela época, uma geração fantástica de bandas influenciadas pelo Grunge surgiu na capital paranaense, entre elas, o Magog, o C.M.U. Down e o Tods.

Dentro desse contexto, Curitiba talvez seja a cidade que mais se identifica com o som do Alice in Chains no Brasil. Por isso, além da nova geração que conheceu o grupo após a entrada de DuVall, muitos fãs mais antigos da banda estavam presentes na Pedreira.

Como essa seria a primeira vez que o Alice tocaria em Curitiba, o setlist que a banda montou para a apresentação empolgou as duas gerações de fãs. O repertório reuniu clássicos eternizados na voz de Layne, como “Then bones”, “No excuses”, “We die Young” e “Angry chair”, além de canções mais recentes da fase DuVall, entre elas, “Stone” e “Hollow”.

alice in chains2

Lembranças que não se apagam

A história do Alice in Chains é marcada pela trágica morte de Layne Staley. Dono de um talento acima da média como vocalista e compositor, ele foi o primeiro grande nome da geração Grunge a perder a vida por causa das drogas.

Atormentado pela fama repentina que teve início após o lançamento do álbum “Facelift” (1990), o cantor rapidamente se entregou ao uso de entorpecentes. A letra de “We die young”, música que abre o CD, já dava pistas sobre a alma atormentada de Layne. “Para baixo você está rolando. Olhe o sangue fluir no esgoto lamacento. Tome outro golpe e enterre seu irmão. E morremos jovens, quanto mais rápido corremos”.

A partir do segundo álbum, “Dirt” (1992), os problemas de Layne com a heroína começaram a se agravar e prejudicar a banda. A turnê desse CD, inclusive, foi cancelada porque o vocalista não tinha condições de viajar.

Para completar o período turbulento, o baixista Mike Starr, que também seguia a mesma trilha destrutiva, deixou a banda em 1993 devido ao vício (ele morreria em 2011, de overdose). Seu substituto foi Mike Inez, que permanece no grupo até hoje.

Porém, em 1994, para a surpresa dos companheiros de banda, Layne começou um projeto paralelo ao lado do guitarrista do Pearl Jam, Mike McCready, do baterista do Screaming Trees, Barrett Martin, e do baixista John Baker Saunders. Batizado de Mad Season, o grupo lançou apenas um álbum, “Above” (1995).

Em 1996, o Alice in Chains volta com um álbum acústico excepcional, o “Unplugged MTV”. No CD, Layne teve uma das melhores performances da carreira da banda, cantando com uma alma impressionante.

A última apresentação do Alice in Chains com Layne Staley aconteceu no dia 3 de julho de 1996 em Kansas City, nos Estados Unidos. Três meses depois, a ex-noiva dele, Demri Parrott, morreu de uma overdose de heroína.

No dia 20 de abril de 2002, aos 34 anos, Layne Staley foi encontrado morto em sua casa em Seattle, já em estado avançado de decomposição. A causa foi uma overdose de speedball (mistura de heroína e cocaína). O registro do óbito dizia que Layne, que tinha 1,85m de altura, estava pesando apenas 39 quilos.

alice in chains3

O recomeço

Em 2005, a banda voltou a se reunir para alguns concertos beneficentes, que contaram com a participação de vários vocalistas, entre eles, Phil Anselmo (ex-Pantera) e Patrick Lachman (ex-Damageplan). Um ano depois, após algumas apresentações com o cantor da banda Comes With the Fall, William DuVall, o grupo acabou oficializando o novo frontman e retomou as atividades oficialmente. De lá para cá, a banda já lançou três álbuns: “Black Gives Way to Blue” (2009), “The Devil Put Dinosaurs Here” (2013) e “Rainier Fog” (2018).

Perder um vocalista sempre é um duro golpe para qualquer banda. No caso do AIC, o baque foi ainda maior porque o som do grupo tinha muito a ver com a personalidade melancólica de Layne. Além disso, os vocais que ele criava para a banda eram criativos e casavam perfeitamente com a voz de Cantrell. Ou seja, a missão de encontrar outro cantor nessa linha parecia não ter chance nenhuma de sucesso.

Assim, William DuVall foi um achado inacreditavelmente certeiro. Além de possuir um tom de voz muito semelhante ao de Layne, ele também toca guitarra, o que acrescentou ainda mais peso ao som da banda. A presença de palco de DuVall também chama a atenção porque, sem grandes exibicionismos, ele conseguiu uma conexão muito fácil com o público.

Clássicos

“Down in a hole”, cantada de forma magistral por DuVall e Jerry, foi um dos momentos mais emocionantes do show, afinal, essa é a canção que talvez melhor simbolize a personalidade de Layne Staley. “Dentro de um buraco e eu não sei se posso ser salvo. Veja meu coração, eu o decoro como um túmulo. Você não entende quem eles achavam que eu deveria ser. Olhe para mim agora. Sou um homem que não se deixa existir”, diz a letra. Para quem acompanha a banda desde o início, a lembrança de Layne veio à tona instantaneamente.

“Man in the box” foi outro ponto alto do setlist. Em 1990, essa música fez com que AIC se tornasse conhecido em todo o mundo. No Brasil, aliás, o clipe da canção virou febre na MTV. Tanto que, em 1993, quando o grupo tocou no festival Hollywood Rock, Layne afirmou ter ficado impressionado o público que lotou o estádio do Morumbi e ficou pulando sem parar quando o AIC tocou a música.

Na sequência, após “The one you know”, quando o baixo grave e marcado de Mike soou as primeiras notas de “Would?”, o público veio abaixo. O interessante é que a música foi tocada em um andamento um pouco mais lento do que o original, o que a deixou ainda mais pesada.

A belíssima “Rooster” encerrou a apresentação. A banda saiu do palco ovacionada pelo público. Sem nenhuma dúvida, esse foi um dos shows mais marcantes que Curitiba já presenciou. “Ver o Alice foi mágico, nostálgico! O clima melancólico das músicas foi um casamento perfeito com a atmosfera da Pedreira! As músicas que trilharam a minha adolescência, somadas às músicas novas, fizeram do setlist um espetáculo para olhos e ouvidos. O William DuVall se consolida cada vez mais na banda, com uma voz única, assim como era a do Layne. Eu gostaria de ter ouvido algumas outras músicas, mas se fosse por mim e outros amigos que assistiam comigo, o show teria umas duas horas! Mas foi espetacular, pra ficar por muito tempo na memória”, diz o músico curitibano Hugo Tatara (41), guitarrista da banda de Death Metal Division Hell.

Confira a música “Would?”, gravada ao vivo no show do Alice in Chains na Pedreira Paulo Leminski, e veja também o álbum de fotos da apresentação.

Alice in Chains - Solid Rock - Pedreira Paulo Leminski - 08/11/2018

judas priest3

Judas Priest

O Deus do Metal. Para qualquer vocalista ou músico, carregar esse apelido seria um fardo gigantesco. Afinal, o estilo teve e ainda tem nomes lendários, entre eles, Ronnie James Dio, Bruce Dickinson, David Coverdale e Glenn Hughes. Porém, para Rob Halford, isso não é nenhum problema.

Antes do show, uma gigantesca bandeira com a tradicional letra “T”estilizada, que faz parte da logo da banda, foi erguida para cobrir toda a frente do palco. Após a introdução com o clássico “War pigs”, do Black Sabbath, e um show de luzes vermelhas, a bandeira caiu no palco e a banda iniciou o show com “Firepower”, faixa-título do mais recente álbum do Judas. Na sequência, o quinteto emendou “Running wild” e “Grinder”.

O setlist do show foi um desfile de grandes clássicos do Judas, como “Turbo lover”, “You’ve got another thing comin” e “The ripper”, e músicas do novo álbum, entre elas “Rising for ruins” e “Guardians”. Para a surpresa do público, a banda não tocou “Metal gods”, uma das músicas mais emblemáticas do Judas.

judas priest4

Metal God

Aos 67 anos de idade, não existe maneira de não ficar impressionando com o que Rob Halford ainda consegue fazer no palco. Entre os grandes vocalistas do Heavy Metal, ele é um dos poucos que mantém a voz suficientemente poderosa nas performances ao vivo.

É óbvio que, em alguns momentos, Halford utiliza efeitos na voz, como ecos e dobras nos refrões. Porém, sem uma voz capaz de manter a afinação, essas tecnologias soariam de forma claramente artificial. Não é o que acontece. Os agudos altíssimos, como em “Desert plan”, ainda estão ali de maneira orgânica.

Além disso, Richie Faulkner e Andy Sneap (guitarras), Ian Hill (baixo) e Scott Travis (bateria) formam uma base sonora poderosa, que impressiona mesmo quem está acostumado aos shows de Heavy Metal. Dessa forma, poucas bandas na história da música reuniram tantas qualidades quanto o Judas.

judas priest1

A nova dupla de guitarristas

O som do Judas Priest tem muito a ver com os guitarristas originais, K.K. Downing e Glenn Tipton. Juntos, eles formaram uma das maiores duplas de instrumentistas da história do Heavy Metal. A forma com que os dois construíam as músicas da banda, utilizando riffs e solos em oitavas diferentes, que se complementavam como se fossem uma só pessoa tocando, ainda hoje impressiona. Durante 42 anos foi assim, mas as coisas mudaram um pouco no início da década.

K.K. Downing já está há sete anos fora do Priest. Em 2011, ele resolveu sair do grupo porque estava cansado da vida massacrante de gravar álbuns e fazer turnês incessantemente. Seu “substituto” foi Richie Faulkner, que rapidamente se adaptou ao grupo de forma surpreendente.

No início de 2018, durante as gravações do álbum “Firepower”, Glenn Tipton resolveu parar de excursionar com a banda devido ao Mal de Parkinson, doença com a qual ele luta há mais de dez anos. Mesmo assim, ele se esforçou muito para terminar as gravações do CD e deixar um último registro para os fãs. Assim, se encerrava uma era no Heavy Metal.

A banda foi pega de surpresa, afinal, a cara do Judas mudaria totalmente com a saída de Tipton. O escolhido para fazer a turnê foi o produtor do álbum, Andy Sneap. Como guitarrista, Andy integrou o Sabbat, o Godsend, o Hell e o The Scintilla Project. Além do novo CD do Judas, Andy já produziu vários álbuns. Entre eles, estão “Blood of the Nations”, do Accept, e “Dark Roots of the Earth”, do Testament. No show, Andy foi discreto e eficiente, fazendo o seu papel de forma tranquila.

judas priest2

Protagonismo

O certo é que, sem Downing e Tipton, foi Faulkner que assumiu definitivamente o protagonismo instrumental no palco. O guitarrista se divertiu imensamente no show, solando com a guitarra nas costas e cantando todas as músicas olhando diretamente para os fãs. Para um cara que entrou há apenas sete anos em uma das bandas mais emblemáticas do mundo do Metal, a adaptação de Faulkner não deixa de ser surpreendente.

Depois de “You’ve got another thing comin’”, Halford entrou com uma Harley-Davidson no palco, na tradicional encenação de “Hell bent for leather”. Em seguida, o grupo tocou “Painkiller” e saiu rapidamente do palco. Na volta para o bis, a banda iniciou com “The Hellion/Eletric Eye” e, na sequência, veio “Breaking the law”, um dos hinos do Heavy Metal. “Living after midnight” encerrou o show.

A velha geração que construiu os pilares do Heavy Metal, aos poucos, está saindo de cena. Só nos últimos anos, por exemplo, morreram nomes como Ronnie James Dio, Lemmy Kilmister e Malcolm Young.

O próprio futuro de Judas é incerto, pois a banda ainda não definiu se continuará na ativa sem os dois guitarristas originais. Assim, ter a oportunidade de ver ao vivo um grupo que estabeleceu parâmetros de qualidade para um dos gêneros mais importantes do mundo é um privilégio. “O Judas, como sempre, foi impecável e impressionante, é dessa forma que eles funcionam ao vivo! Esses caras, aliás, foram forjados para tocar ao vivo! Esse foi o quarto show deles que tive o privilégio de assistir e o primeiro sem a presença das duas lendas, K.K. Downing e Glenn Tipton, nas guitarras e, mesmo assim, a banda não perdeu a pegada! O setlist mesclando os clássicos antigos com as músicas do novo álbum, que a meu ver já é um clássico, funcionou muito bem! Assisti-los foi uma sensação das melhores! São lendas”, diz o gerente de suprimentos Andrey Guimarães (37).

Confira a música “Desert plains”, gravada ao vivo no show do Judas Priest na Pedreira Paulo Leminski, e veja também o álbum de fotos da apresentação.

Judas Priest - Solid Rock - Pedreira Paulo Leminski - 08/11/2018